xml !

sexta-feira, setembro 30, 2005

CÁ DENTRO- ARQUIVOS E LICENÇAS

Os media andam agitados. Artur Portela renuncia, a questão da renovação das licenças está na mesa de discussão, os jornais saem azuis, e, sem ser por isso, apresentam números que mostram a sua evolução nas vendas, Manuel Fonseca deixa o seu cargo na SIC.

A propósito da renovação das licenças: não seria urgente obrigar os canais que tiverem concessão a fazer depósito de toda a produção audiovisual feita em Portugal (Telejornais, entretenimento...). A memória dos portugueses agradeceria...

É que há quem ache que os arquivos de televisão estão bem entregues pois começaram agora a ser tranferidos para o ANIM. Acho que estão lá muito bem, mas faltam três condiçoes para estarem mesmo muitíssimo bem

1 O ANIM não deve estar na dependência da Cinemateca. O mesmo é dizer que a memória da televisão não deve estar subordinada, funcionalmente, à memória do cinema.Nem esta àquela.

2 Os operadores privados de televisão devem depositar cada obra audiovisual de autoria portuguesa, tal como é feito para os livros. E essa obrigação deveria constar na concessão.

3 Os leitores da Biblioteca Nacional devem poder aceder a esses arquivos audiovisuais, tal como acontece na Biblioteca François Miterrand , em Paris. São menos uns cobres para o futebol. Embora muito mereça, não se pode ter tudo....

CÁ DENTRO E LÁ FORA

Circula uma petição para que o canal francês Arte volte aos canais analógicos da TV Cabo.

O texto da petição é o seguinte: “Os canais ARTE e M6 DESAPARECERAM DO PACOTE DE BASE DA NETCABO SEM NENHUMA EXPLICACAO - ESTAMOS A TENTAR QUE VOLTEM E PRECISAMOS DA VOSSA AJUDA - La chaine franco allemande ARTE a été enlevée du bouquet de base de NetCabo en 2004 , ainsi que M6, sans aucune explication. Nous tentons de les faire revenir sur leur décision de façon à avoir DES chaines francophones. merci de votre aide.” Vale a pena pedir o regresso do Arte.

Se quiser assinar vá aqui.

quarta-feira, setembro 28, 2005

CÁ DENTRO - TUDO AZUL

O azul é hoje a cor da imprensa. Serão os leitores a razão da colorida imprensa de hoje?

terça-feira, setembro 27, 2005

LÁ FORA - OUTROS PROVEDORES

Robert Solé, provedor do Le Monde, escreveu , no sábado, Les mauvaises herbes, sobre incorrecções da escrita que, mesmo no prestigiado jornal, passam amiúde na edição impressa. E termina com a necessidade de apurar os textos usando a imagem da jardinagem.

"Il ne s'agit pas d'arriver à des textes exsangues, incolores et sans saveur, qui seraient tous sur le même modèle. Concision et simplicité ne sont pas synonymes de pauvreté. Elles exigent souvent plus de travail que l'enflure et le délayage. Ce travail n'a rien de frustrant, au contraire. Supprimer, dans un article, tout ce qui l'obscurcit ou l'alourdit est un plaisir qui s'apparente au jardinage."

Por sua vez, Sebastian Serrano, provedor de leitores do El País, escreve sobre uma publicidade polémica que acabou por ser retirada.

"Anuncio questionado

El martes pasado se publicó en la sección de Deportes un anuncio que informaba de una nueva oferta informativa de EP3, el área de este diario dedicada a los jóvenes. Titulado 'La puerta de atrás del cine' y con el subtítulo de 'Fiestas, anécdotas, películas y estrellas', el texto decía: "Descubre en el blog de EP3 todo lo que quieres saber sobre el Festival de Cine de San Sebastián y nadie más te cuenta. Entra en la web de EP3, elpais3.com, y deja tus opiniones y comentarios en nuestro Pintxo Blog. Si te gusta el cine no puedes dejar pasar esta oportunidad". Junto al texto, una foto de espaldas de la pareja formada por el presentador británico Chris Evans y la actriz Billie Piper, en la que destacaba la mano de él apretando la zona anal de ella. Frente a ellos, en la penumbra, numerosos fotógrafos con sus cámaras.

El miércoles volvió a publicarse el anuncio, esta vez en la sección de Sociedad, y hubo un par de llamadas de protesta. Ese mismo día se decidió que no volviera a aparecer. El jueves llegó por correo electrónico una carta firmada por María Durán Febrer en la que mostraba su "indignación" por el anuncio. Hasta la tarde del viernes, 16 personas más dieron su apoyo a ese escrito.

"Este anuncio", escribe Durán, "atenta contra la dignidad de la mujer. El primer mensaje que llega a quien lo observa no es la nueva sección que se anuncia, sino, como en los tiempos más arcaicos, la disponibilidad del cuerpo de la mujer. ¿Desconoce el periódico que la razón por la que un hombre viola a una mujer, a la que no conoce de nada, es la presunción de que las mujeres están para la satisfacción sexual de los varones?".

El escrito recuerda la reciente modificación de la Ley General de Publicidad, incluida en la Ley Orgánica contra la Violencia de Género, que establece la ilicitud de utilizar el cuerpo de la mujer o partes del mismo "como mero objeto desvinculado del producto que se pretende promocionar". Sobre esta base, "es obvio que esta publicidad es ilícita", agrega.

La lectora pide a continuación que "esta institución defensora de los lectores medie para que las mujeres usuarias de este periódico no nos sintamos vejadas y seamos tratadas como seres humanos que, tras una larga lucha, hemos conseguido tener la consideración de ciudadanas".

La directora general del Instituto de la Mujer, Rosa María Peris, dirigió el viernes un escrito al director del diario para mostrar su "malestar" por el anuncio, que "incluye una imagen que resulta vejatoria para las mujeres, ya que representa su tradicional supeditación hacia el hombre".

Peris considera que este periódico "debería plantearse no hacer uso de este tipo de publicidad, que posiciona a las mujeres en situaciones de inferioridad y desigualdad, además de reducirlas a un simple objeto sexual al servicio de los hombres, y que claramente resulta ofensivo para sus lectoras". Igualmente recuerda el cambio introducido por la Ley Orgánica contra la Violencia de Género en el ámbito de la publicidad y solicita que se establezcan "las medidas necesarias para que no se reiteren estos contenidos en esa publicación". Antes de que se recibiera este escrito, tras las primeras quejas, el director adjunto entre cuyas responsabilidades figura EP3 ya pidió que los originales de promoción fueran sometidos a su consideración antes de ser publicados.

La directora general agrega: "Entiendo que la línea editorial de esta revista juvenil se define precisamente por su carácter transgresor, y por esa razón resulta más paradójica la utilización de estereotipos tan desfasados y tan tópicos, que para nada constituyen un estilo imaginativo, sorprendente y acorde con la realidad de nuestros días".

El director de Marketing, Miguel Pereira, se hace responsable del anuncio y responde: "Independientemente de nuestros argumentos o intenciones para publicar esa publicidad, desde el momento en que ha molestado a varias lectoras hay que reconocer que hemos cometido un error de juicio y, por lo tanto, pedimos disculpas a las personas que se hayan podido sentir ofendidas. No ha sido nunca nuestra intención ofender a nadie y si hubiéramos siquiera sospechado que esta publicidad iba a resultar ofensiva no la habríamos publicado". Tras recordar que ya el miércoles se decidió retirar el anuncio, Pereira cuenta su elaboración: "Nuestro objetivo era anunciar un nuevo blog en la página web de EP3, donde se publican noticias y anécdotas del Festival de Cine de San Sebastián con un enfoque distinto al habitual. Son informaciones entre bastidores, pequeños detalles. Una especie de puerta trasera del festival".

"Nos pareció", prosigue, "que la foto que ha provocado las quejas, más allá del gesto polémico, representaba el mensaje deseado, puesto que mostraba a una pareja de famosos posando ante los fotógrafos, pero ofrecía un detalle que sólo podía verse desde detrás, no desde donde estaba la mayoría de los periodistas".

Pereira precisa: "Tengo que decir en nuestro descargo que no es una fotografía hecha especialmente para la publicidad. La escena, ni posada ni preparada, muestra a la actriz Billie Piper y su entonces pareja, Chris Evans, y fue captada por el fotógrafo Steve Finn en la entrega de premios de la Academia británica de 2004".

"Nuestra intención", concluye, "no era subrayar el acto del tocamiento, sino que hay un detalle que sólo ve quien está en el ángulo idóneo. No hemos escogido la foto por el gesto del actor, sino por la idoneidad de la imagen para ilustrar el mensaje. También la habríamos elegido si el gesto hubiera sido cualquier otro, y por supuesto, si fuera la actriz quien estuviera tocando a su pareja. En realidad, el gesto es mutuo; ella también le está tocando a él por detrás, aunque esto pasa desapercibido ante la notoriedad de la mano del actor sobre la actriz".

Tras la explicación, Pereira añade un detalle: "Alguien podría pensar que este error de criterio se debe a una mentalidad demasiado masculina en nuestro departamento de Marketing, pero lo cierto es que está formado por ocho mujeres y dos hombres, y que esta publicidad la vieron varias de las componentes de nuestro equipo. Con esto no pretendo eludir mi responsabilidad, puesto que fui yo quien finalmente aprobó su publicación".

Después de leer este párrafo le pregunté al director de Marketing la edad de los miembros de su equipo. "Todos están por debajo de 40 años", respondió. La pregunta la hice porque durante la preparación de este artículo me di cuenta de que el rechazo del anuncio por sexista era menor en el grupo de los más jóvenes, mujeres incluidas.

¿Puede influir la edad en la forma de mirar ese anuncio? Confieso que, con 52 años, lo he visto igual que las lectoras y lectores que han expresado sus quejas, considero que este diario no debería haber elaborado un anuncio así y me sumo a las disculpas expresadas por el director de Marketing. Pero también confieso que el interrogante me intriga."


segunda-feira, setembro 26, 2005

LA FORA - BLOGUES

Segundo o Le Monde, o Parlamento Europeu interroga-se sobre as relações entre os blogues e os media tradicionais, tendo convidado jornalistas poara debater esta questão. Segundo Guido Baumhauer, redactor da Deutsche Welle existem 31 milhões de blogues na internet e nascem 80 mil por dia.

Uma das críticas que se fazem aos blogues é a falta de referências éticas e deontológicas a que o jornalismo tradicional deve obediência.

Diz o Le Monde:

"L'eurodéputé travailliste Richard Corbett a expliqué qu'il a créé son blog, en 2003, parce qu'il ne voulait plus que ses propos "soient déformés" ou simplement "triés et filtrés" par une presse "eurosceptique". "Quand les gens surfent sur Internet, ils trouvent au moins quelque chose de proeuropéen !" , a-t-il ajouté. Des journalistes présents ont admis qu'ils se sont parfois servis des blogs pour s'informer, "notamment pendant le tsunami, où l'on ne disposait pas d'informations de la part des autorités thaïlandaises" , a indiqué une Finlandaise.

Adrian White, le secrétaire général de la Fédération internationale des journalistes, a estimé que "les sites Internet des organes de presse traditionnels tels que la BBC ou CNN seront toujours sollicités, parce que les gens veulent avoir une information fiable et crédible" , ce qui n'est pas le cas des blogs, a-t-il précisé, beaucoup mélangeant information et publicité ou n'indiquant pas l'origine de leurs informations.

PAS DE CADRE ÉTHIQUE

Le problème devient délicat car nombre de journalistes sont eux-mêmes devenus des blogueurs : ils éditent des informations qui ne paraissent pas dans leur organe de presse, faute de place. Menacent-ils alors celui-ci ? M. White répond par la négative, à condition que ces informations complémentaires aient le même sérieux que les autres. "Le problème des blogs, c'est qu'ils n'ont pas pour l'instant de cadre éthique" , a-t-il observé. Sa consœur, Karlin Lillington, de l'Irish Times, a constaté que les journalistes sont soumis à des "règles déontologiques strictes, en matière de diffamation, notamment, alors que les blogueurs peuvent se comporter comme au Far West" ."

LÁ FORA - PROVEDORES

Marcelo Beraba, provedor da Folha de S. Paulo, escreveu, em 18 de Setembro, uma crónica, A Convite, que mostra bem que não basta estar inserida nos Livros de Estilo a obrigação de indicar que certas viagens são feitas a convite. A imprensa portuguesa também pode reflectir sobre o mesmo tema. E também, cá dentro, quem ganha será o leitor? Seguramente que não.


São Paulo, domingo, 18 de setembro de 2005

A convite
MARCELO BERABA

A capa do caderno Turismo da Folha da última quinta-feira tinha como principal assunto a cidade de Rio das Ostras, no litoral fluminense. O texto de abertura da reportagem assim justificava a escolha: "Renda obtida com a exploração na bacia de Campos é investida na infra-estrutura da orla marítima do município na região dos Lagos".
A Folha informou na reportagem que viajou para Rio das Ostras a convite da Abih-RJ (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Rio de Janeiro) e da Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio de Rio das Ostras.
Na mesma edição, circulou um encarte publicitário com anúncios da Petrobras e de duas cidades da mesma região, Cabo Frio e Rio Bonito: "Bacia de Desenvolvimento - Petróleo impulsiona o crescimento dos municípios da bacia de Campos".
Algumas ponderações.

1 - Os cadernos de turismo dos jornais brasileiros vivem de convites. São os convites que acabam determinando os destinos turísticos sugeridos. É comum os jornais apresentarem aos seus leitores, numa mesma semana ou em datas próximas, reportagens parecidas. Foi o que aconteceu neste mês, por exemplo, com a Folha e o "Estado", que saíram com reportagens sobre a ilha de Páscoa. Não houve coincidência de pauta. Apenas os dois diários receberam os mesmos convites de um grupo turístico, um hotel e uma companhia aérea.
Isso nunca foi bom para os leitores nem para os jornais e só interessa à indústria do turismo que, dessa forma, acaba influenciando as pautas dos jornais.
A discussão não é nova: as empresas jornalísticas têm consciência de que a política que adotam para esses cadernos não é a mesma aplicada a outras editorias, mas acabam submetidas a ela por questão de economia.
Silvio Cioffi, editor de Turismo, lembra que todas as reportagens feitas a convite de empresas trazem, no final do texto, a informação sobre quem pagou a viagem. E acrescenta: "Mesmo fazendo viagens a convite, sempre trazemos uma lista ampla e variada dos serviços de transporte e hospedagem disponíveis".
O leitor perde, obviamente, porque, por mais isento e transparente que o jornal seja ao admitir que viajou a convite, sempre fica a certeza de que aquele ponto turístico está sendo recomendado por oportunismo, e não por critérios editoriais.
Os cadernos de turismo ganharão credibilidade quando tiverem orçamentos próprios que lhes permitam libertar-se da dependência que os atrela, hoje, aos interesses da indústria turística. O jornalismo brasileiro ainda precisa dar esse passo.

2 - Nada justifica que os jornais não enviem seus jornalistas com recursos próprios para locais próximos e relativamente baratos. Se Rio das Ostras vale uma reportagem indicativa para os leitores da Folha a ponto de merecer uma capa do jornal, por que não enviar um repórter da Sucursal do Rio, que fica a 170 km, e o próprio jornal pode pagar a viagem? Teria, evidentemente, mais independência para tratar do assunto e fazer críticas.
A propósito de Rio das Ostras, recebi a seguinte mensagem do leitor Carlos Tautz, do Rio: "A reportagem me deixou irritado porque teceu loas e loas sobre Rio das Ostras, um município cujo IDH é pífio, mesmo comparado com o de outras cidades do Rio. Seu IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é o 34º no Estado do Rio e o 1.188º no Brasil, dado do Pnud em 2000. Ficou parecendo matéria encomendada. Fui lá, pela primeira vez, em janeiro de 2004, como turista e, inicialmente, tive a mesmíssima impressão que a Folha descreve: uma maravilha de lugar, que aproveita bem os royalties da Petrobras. Mas depois percebi que há uma Rio das Ostras da orla, coisa de Primeiro Mundo, e outra, que fica com os impactos negativos da especulação imobiliária provocada pela expansão da indústria do petróleo no norte fluminense. Esta segunda é a Rio das Ostras de moradores tradicionais favelizados pela disparada dos preços da terra. Essa Rio das Ostras fica do lado pobre da BR-101, que corta a cidade ao meio. Faço a crítica porque me senti enganado à época e tive o mesmo sentimento hoje de manhã, quando li a Folha".

3 - A publicação, no mesmo dia, do caderno com o informe publicitário suscita no leitor natural desconfiança. Reproduzo a explicação que recebi da secretária de Redação, Suzana Singer: "Foi coincidência a Folha ter publicado na mesma edição o caderno Turismo com capa sobre Rio das Ostras e o informe publicitário da Petrobras sobre a região. Como existe completa separação entre as áreas editorial e comercial, nem a Redação sabia da existência do informe nem o comercial sabia qual seria o tema do caderno".
Não tenho por que duvidar da explicação, mas a coincidência é ruim para o jornal de qualquer forma. Ainda mais associada a uma área que vive de favores, como é a cobertura de turismo.

O ESCÂNDALO DO "MENSALÃO"

A influência paulista
O Projeto Deu no Jornal (www.deunojornal.org.br), da Transparência Brasil, acompanha o noticiário sobre corrupção publicado por 63 dos principais jornais do país. Levantamento recente feito pelo diretor-executivo da Transparência, Claudio Weber Abramo, revela alguns dados que merecem futuras reflexões dos que observam o desempenho da imprensa nesta crise política.
1 - As acusações contra o governo Lula e parlamentares provocaram o aumento de forma extraordinária do espaço que os jornais dedicam aos casos de corrupção. Para que se tenha uma idéia, desde 14 de maio (flagrante nos Correios), esse espaço cresceu 243% no conjunto dos jornais monitorados. No caso da Folha, houve um crescimento de 270%. O levantamento não inclui textos de apoio, como infográficos e memórias.
2 - A atenção dada aos Correios e ao "mensalão" abafou a cobertura de novos casos de corrupção. Até meados de maio, os jornais iniciavam, em média, 3,66 novos casos de corrupção por dia; desde então, esse índice caiu para 2,88 casos. O fenômeno é percebido principalmente nos jornais de fora do Sudeste.
3 - A cobertura tem uma forte influência dos grandes jornais, principalmente dos paulistas. De todo o material publicado sobre os Correios e o mensalão, 23% saíram na Folha, no "Estado" e no "Globo". E, das reportagens publicadas Brasil afora atribuídas às agências de notícias, 94% foram distribuídas pelos grupos Folha e Estado.
Pedi a Abramo um comentário sobre o noticiário dos jornais. Suas sugestões:
"A cobertura não tem explorado avenidas que poderiam trazer mais informações para entender o escândalo. Em especial, as raízes da corrupção não estão sendo adequadamente perseguidas. Por exemplo: o caso dos Correios mostra uma raiz clara, o loteamento do Estado entre partidos políticos em troca de apoio de parlamentares. Então, é importante saber como é que os cargos da administração federal são loteados. Um infográfico que mostrasse onde os diferentes partidos estão instalados daria uma boa idéia do quadro, apontando para onde poderiam estar ocorrendo falcatruas.
Outro assunto muito mal contado é a história de que os dinheiros do "valerioduto" teriam sido usados para pagar dívidas de campanha eleitoral. Isso está passando quase em branco. Para cada um dos acusados, a imprensa faria bem se investigasse a probabilidade de essa história da Carochinha ser verdadeira. "A quem o senhor pagou com esse dinheiro?" Na ausência de resposta, o leitor que tirasse a sua conclusão".

Marcelo Beraba é o ombudsman da Folha desde 5 de abril de 2004. O ombudsman tem mandato de um ano, renovável por mais dois. Não pode ser demitido durante o exercício da função e tem estabilidade por seis meses após deixá-la. Suas atribuições são criticar o jornal sob a perspectiva dos leitores, recebendo e verificando suas reclamações, e comentar, aos domingos, o noticiário dos meios de comunicação.
"

sexta-feira, setembro 23, 2005

LÁ FORA E CÁ DENTRO : DO TELEMÓVEL AO JORNALISMO

Vale a pena ler hoje o texto de Umberto Eco , no DN. “No início dos anos 90, apenas algumas pessoas possuíam telemóveis. Mas mesmo essas eram já suficientes para transformar uma viagem de comboio num tormento e, por isso, escrevi um artigo bastante irritado sobre o facto.
Basicamente, o que eu disse foi que os telemóveis deviam ser destinados apenas a equipas de transplante de órgãos, canalizadores (ambos os grupos constituídos por pessoas que, para bem da sociedade, devem estar sempre contactáveis) e aos adúlteros.”

E vale a pena assinalar o texto de ontem de José Manuel Barroso, Uma República de jornalistas? sobre a confusão entre a opinião e a informação. Estou como António Damásio, ontem, no ISPA: há coisas que têm que ser obsessivas para haver progresso. E insisitir nessa distinção parace ser o caso.

CÁ DENTRO - UM BLOGUE e o PÚBLICO

Chamo a atenção para o interessante diálogo entre um blogo Jornalismo e Comunicação ) e o jornal (Público), sobre o caso de Fátima Felgueiras: Manuel Pinto tem insistido que, no Público, haja mais factos e menos suspeição. "É positivo que o Público investigue a fundo se houve ou não jogadas de bastidores legal ou politicamente condenáveis e quais foram elas. Mas que nos dê factos comprovados, não possibilidades ou suspeições. Porque isso pode contribuir para descredibilizar quem denuncia a escandaleira. E, desse ponto de vista, o que o jornal nos volta a oferecer hoje continua numa zona que não é tranquilizadora para a qualidade do jornalismo. "Que tudo isto tenha sido mera coincidência é coisa que nem os mais piamente crédulos aceitarão", escreve hoje, e com razão, Nuno Pacheco. Mas não basta vontade de denunciar ou indícios de matérias a denunciar para que a denúncia adquira consistência. O Público - e outros órgãos de comunicação - têm de continuar a trabalhar no assunto."

Eis um uma reflexão que me parece adequada. E que mostra que os blogues também podem ter algum eco no jornalismo que se vai fazendo por cá.

quinta-feira, setembro 22, 2005

CÁ DENTRO-BLOGUES

Hoje, Ana Sá Lopes, no Público refere-se ao blogues usados em campnha eleitoral.

CÁ DENTRO- DN

O DN tem nova direcção.

CÁ DENTRO - PÚBLICO ON LINE

No dia de hoje, há precisamente dez anos atrás, o PÚBLICO disponibilizava pela primeira vez a edição electrónica do seu jornal. A inauguração do serviço diário na Web deu-se numa altura em que a Internet não estava ainda muito difundida e em que poucos jornais a nível mundial haviam apostado em edições on-line.

(do Público de hoje).


quarta-feira, setembro 21, 2005

CÁ DENTRO: JOVENS LEITORES

O presidente da Associação Portuguesa de Imprensa, João Palmeiro, afirmou ontem que as assinaturas de jornais e revistas são "um dos mais eficazes instrumentos de fidelização de leitores jovens" (DN, de hoje) . O problema será como conseguir que essas assinaturas acontecçam. Lembro-me que há dois ou três anos, em França, se deu uma assinatura gratuita, por um ano, no ano em que os jovens atingiam a maioridade. É um começo. E há depois as escolas, terreno para a AIP, para os jornais, para o Ministério da Educação. Se ler é saber mais....é preciso ler jornais. E se os jovens não vêem ter com eles, é preciso que os jornais vão ter com os jovens.

LÁ FORA: JOVENS LEITORES

Na Argentina juntaram-se 300 conferencistas de 66 países na 6a Conferência Mundial dos Jovens Leitores, organizada pela WAN (World Association of News). Os sumários das conferências já estão on line.

Eis algumas citações, em inglês, das intervenções dos conferencistas.

"Children tend to snack on information. They have grown up with the internet which is instant and dynamic in its delivery of information. The internet is the McDonalds of information and you will only become a serious rival if you produce your own Burger King."
Steve Edwards, Publisher, Primary Times, United Kingdom

"We thought that any parent would want their children to read a newspaper. However, if the parents themselves did not read a newspaper, it was unlikely that they would advise their children to read one. This was one of our greatest disappointments."
Carlos Echeverry, Editor and Publisher, Mi Super Diario, Bolivia

"Far too often young readers are confined in a space where they are either ignored or patronized. Time has come to open this ghetto."

"How on earth can we reach youngsters if we don’t use their tools, particularly mobile phones?
Danièle Fonck, Deputy Chief Executive, Editpress Group, Luxembourg

"Press for young people must have young journalists. That’s not really so, but the newsroom must be familiar with the reader, must live with the reader. They need to understand the reader and what he is talking about."
Antoni Cases, Director, Cases i Associats, Argentina, Spain and USA

"We need to develop curiosity and learning to establish a loyalty bond and a trust bond with the reader that will allow the reading habit to be installed and provide access to the adult world."
Ricardo Kirschbaum, Editor-in-Chief, Clarin, Argentina

"No more excuses about the vehicle we have chosen to make our living. The problem is not the newspaper as a medium -- it’s in our heads. We need to constantly innovate and at times produce a true revolution in our products rather than be content with mere survival.
Marcelo Rech, Editor, Zero Hora, Brazil

"No other channel can beat a newspaper for the breadth and depth of the information is conveys, or for its ability to surprise, please and entertain. One can enjoy it wherever you are and whenever you want."

"Printed newspapers are cheap, environment-friendly, pleasant to read, provide more diversified information and in-depth analysis, and incorporate a significant element of the good life."
Antonio Dias, Executive Vice President, Norske Skog South America

"Not long ago, there wasn’t general access to Palms, PCs, internet, there were no Googles or E-Bays. We have issues in front of us (for attracting younger readers) that are substantially different than what our predecessors faced, or even ourselves just a few years ago."
Héctor Aranda, General Manager, Clarin, Argentina

"We have to move away from special supplements, sections and education inserts for the young, and to get our existing newspapers to be more youthful newspapers."
Juan Senor, Director, Innovations International Media Consulting Group, United Kingdom

"Young people are loyal to a newspaper if they learn something after reading about a subject -- it makes them smarter -- and it gives them something to talk about with friends and family."
Michael Smith, Managing Director, Media Management Center at Northwestern University, USA

"We have long believed that introducing the newspaper to young children would help create a newspaper reading habit that would last into adulthood, but we did not have the research to prove it. Now we do,"
James Abbot, Vice President, Newspaper Association of America Foundation, USA, on new research showing that children who used newspapers in classrooms are far more likely to read newspapers as adults.

"What is important is that these new tools allow the teen-agers to communicate. They want to be connected as much as possible, day or night. They leave the cellphone on their pillows when they go to sleep in case someone wants to contact them."
Evelyne Bévort, Deputy Director, CLEMI, France, on how teen-agers use new media.

terça-feira, setembro 20, 2005

CÁ DENTRO

O texto de hoje de Pedro Mexia refere-se, de forma muito crítica, aos sistemas de classificação etária dos programas, recentemente instituído pela SIC e TVI. Vale a pena ler e esperar pelo de amanhã.

Neste momento não se consegue aceder ao DN.

segunda-feira, setembro 19, 2005

CÁ DENTRO: PROVEDORIAS

Coloquei aqui a crónica de recomeço que escrevi para o DN, pois, na net, esta continua a ser publicada sem o Bloco Notas.

sexta-feira, setembro 16, 2005

CÁ DENTRO

A TVI vai colocar símbolos nos programas para dar uma indicação das idades aos quais os programas são aconselhados. Sou favorável a essa adopção de uma simbologia de aconselhamento. A informação poderia também, em certos casos, ser assinalada. Mas mais importante na informação seria dar indicação sobre a origem das imagens de modo a que os espectadores soubessem se as imagens são fruto de um cidadão que fez o registo, de um departamento de estado norte americano, se são imagens de arquivo da própria estação de televisão ou se são mesmo fabricadas num computador. Os espectadores de todas as idades ganhariam em saber essas autorias, e compreenderiam melhor, por si mesmos, a construção de que as imagens são objecto.

Já me parece abusivo considerar que estas iniciativas de auto-regulação dispensam o provedor de televisão. Acho também muito interessante que as privadas se proclamem a fazer serviço público. Afinal o serviço público parece ter mais prestígio do que se pensa.

quinta-feira, setembro 15, 2005

CÁ DENTRO É LÁ FORA

É assim a televisão

CÁ DENTRO: VIDEOVIGILÂNCIA

Ontem, o DN, inseria peças sobre a videovigilância . Hoje tem um artigo de opinião sobre o mesmo tema.

quarta-feira, setembro 14, 2005

AGENDA DE CÁ

Vai realizar-se na sexta-feira, dia 16 de Setembro de 2005, às 14,30 horas, na Ala Autónoma do ISCTE, Auditório Afonso de Barros, uma dissertação sobre televisão para doutoramento em Sociologia. A tese intitula-se «Os Telejornais da Televisão Generalista Portuguesa - importantes encontros quotidianos com a actualidade e para a construção social da realidade»

O autor é Nuno Brandão.

terça-feira, setembro 13, 2005

LÁ FORA: IMAGENS DE CATÁSTROFE E ESPERANÇA

Nesta página do Poynter on Line encontra 56 imagens sobre o Katrina, com imagens da devastação mas também dos esforços de ajuda.

(clicar em View 55 defining images of disaster and hope).

As páginas do Poynter são um manacial para quem quiser saber mais sobre o modo como o Katrina foi coberto nos media dos USA. Partilha de experiências, conselhos sobre como os jornalistas devem lidar com situações traumáticas, questões éticas, apelos de participação, imagens, de tudo pode encontrar um pouco.

LÁ FORA: BLOGUES

No DN de ontem inseria-se um texto de Sónia Correia dos Santos mostrando como jornalistas do Times Picayune's (New Orleans) abraçaram os blogues, até então olhados com cepticismo. Mas na situação de crise, sem a possibilidade de impressão do jornal, o blogue foi um modo de intervir e de manter uma ligação com os leitores. E o termo jornalismo cívico vem à baila...

(neste momento a edição de ontem do DN não está disponível na net)

segunda-feira, setembro 12, 2005

LÁ FORA: IMAGENS DE MORTE

Hoje, no DN , assinala-se a autorização de recolha de imagens de corpos das vítimas do Katrina. Entre o Governo, os juízes, os directores, os jornalistas há ainda os leitores:

“A fotografia de um homem morto em New Orleans, publicada no Oregonian, deu origem a protesto dos leitores e a uma crónica do provedor

(coloquei este post na 6a feira no blogue As imagens e nós).

A IMAGEM DA AMÉRICA

Afinal não foi só para mim a surpresa da imensa devastação e da impotência do Governo americano em lidar com o Katrina. New Orleans foi a minha primeira cidade nos EUA e dela guardo uma recordação bem forte, para não sentir a imensa desolação desde o Katrina. Por onde andarão os sons do jazz que se escutavam nas ruas e no átrio dos hóteis? E, apesar de ter descoberto, ao vivo, a tensão racial, mesmo os avisos de cuidado institucionalizados sobre a eventualidade de assaltos, não posso deixar de revelar o meu espanto ingénuo sobre a força imensa da natureza e a fraqueza humana face às suas expressões mais violentas.

“Since Hurricane Katrina, the world's view of America has changed. The disaster has exposed some shocking truths about the place: the bitterness of its sharp racial divide, the abandonment of the dispossessed, the weakness of critical infrastructure. But the most astonishing and most shaming revelation has been of its government's failure to bring succour to its people at their time of greatest need.”

no The Economist

sexta-feira, setembro 09, 2005

LÁ FORA-THE BOBS

Eis a página anuncio do The Bobs

Bem-vindo ao The BOBs
Sugira seus favoritos!
Você bloga? Conhece algum weblog digno de receber um prêmio de qualidade? Ou está apenas interessado em ver como bloggers do mundo todo blogam? Em qualquer um dos casos, aqui você está no lugar certo!

Sugerir favoritos

Uma vez preenchido o formulário de participação, você pode sugerir até 30 de setembro de 2005 um weblog ou site podcasting em uma das 13 categorias a seguir: Melhor Weblog, Melhor Blog Multimídia, Melhor Podcast, Melhor Weblog Jornalístico e Prêmio Especial Repórteres sem Fronteiras, sendo que o prêmio de "Melhor Weblog Jornalístico" será concedido em cada um dos nove idiomas do concurso.

Quem pode participar

A participação no BOBs-Awards da Deutsche Welle é aberta a quaisquer weblogs ou podcasts publicados em um dos idiomas do concurso: alemão, inglês, francês, espanhol, português, russo, chinês, persa ou árabe. Os candidatos sugeridos deverão pertencer a uma das categorias do evento e obedecer às condições de participação. Maiores detalhes sobre o funcionamento da premiação você encontra aqui.

Também neste ano, os BOBs contam com o apoio de um júri de alto nível e de diversos patrocinadores e parceiros de mídia. Durante toda a duração do evento, os 12 membros do júri participam em conjunto da elaboração do BOBS-BLOG.

LÁ FORA-THE BOBS

O português é uma das nove línguas de escolha dos melhores blogues em 2005, uma iniciativa da Deustche Welle International The Bobs (The best of the blogs). Assinalo por duas razões: é uma ocasião do blogues em língua portuguesa saberem se têm alguma audiência no estrangeiro (embora cada blogueiro tenha a sua a ideia) e, por outro, pela importância que os media, no estrangeiro, estão a atribuir a esta forma de expressão.

Lembro que, em 2004, o melhor blogue jornalístico em língua portuguesa foi o Ponto Media, de António Granado.


Fonte: check list do Le Monde

“Que le meilleur "blogue"
Jusqu'au 30 septembre, les internautes du monde entier peuvent proposer les blogs qu'ils affectionnent au jury de The bobs (Best of the blogs). Organisé par la radio internationale allemande Deutsche Welle, la compétition est axée cette année sur la liberté de l'information, répartie à travers 13 catégories, dont Meilleur blog, Meilleur blog multimédia, Meilleur podcast, Meilleur blog journalistique, et prix spécial en partenariat avec Reporters sans frontières. Grande nouveauté, le français et le persan ont été ajoutés à l'allemand, l'anglais, l'arabe, le chinois, l'espagnol, le portugais et le russe. Le vote des internautes et celui du jury seront soumis du 24 octobre au 20 novembre. Résultats le 21 novembre. A vos souris, partez !”

LÁ FORA-KATRINA

As palavras estão no centro do jornalismo. O Provedor (public editor) do Chicago Tribune publicou um texto sobre o desafio linguístico de designar as pessoas que estão em sitação delicada depois do furacão: Refugiados, evacuados, vítimas ou sobreviventes?

quinta-feira, setembro 08, 2005

LÁ FORA: KATRINA-BUSH

Dois em cada três americanos acham que Bush poderia ter feito melhor nas operações de socorro depois do furacão Katrina, segundo um relatório divulgado hoje pelo Pew Research Center:


Two-In-Three Critical Of Bush's Relief Efforts


Huge Racial Divide Over Katrina and Its Consequences

The American public is highly critical of President Bush’s handling of Hurricane Katrina relief efforts. Two-in-three Americans (67%) believe he could have done more to speed up relief efforts, while just 28% think he did all he could to get them going quickly. At the same time, Bush’s overall job approval rating has slipped to 40% and his disapproval rating has climbed to 52%, among the highest for his presidency. Uncharacteristically, the president’s ratings have slipped most among his core constituents – Republicans and conservatives.



The disaster has triggered a major shift in public priorities. For the first time since the 9/11 terror attacks, a majority of American say it is more important for the president to focus on domestic policy than the war on terrorism. And the poll finds that Katrina has had a profound psychological impact on the public. Americans are depressed, angry and very worried about the economic consequences of the disaster. Fully 58% of respondents say they have felt depressed because of what’s happened in areas affected by the storm. In recent years, this percentage is only surpassed by the 71% that reported feeling depressed in a survey taken just days after the Sept. 11 attacks.



The latest national survey by the Pew Research Center for the People & the Press, conducted Sept. 6-7 among 1,000 Americans, including an oversample of African Americans, finds a huge racial divide in perceptions of the disaster and lessons to be learned from Katrina’s aftermath. For example, 71% of blacks say the disaster shows that racial inequality remains a major problem in the country; a majority of whites (56%) feel this was not a particularly important lesson of the disaster. And while 66% of blacks think that the government’s response to the crisis would have been faster if most of the storm’s victims had been white, an even larger percentage of whites (77%) disagree.



The survey finds that while the hurricane has drawn broad public attention, spiraling gas prices have attracted as much interest as reports on the storm’s impact. Roughly seven-in-ten are paying close attention to each story (71% gas prices, 70% hurricane’s impact). That represents the highest level of interest in gas prices in the two decades of Pew’s News Interest Index.



Huge Racial Divide Over Katrina and Its Consequences
Two-In-Three Critical Of Bush's Relief Efforts

OS INCÊNDIOS

Hoje, no DN, Estrela Serrano escreve sobre a cobertura mediática dos incêndios e argumenta (de modo adequado) contra a ideia que seriam precisos estudos para haver mais contenção na cobertura televisiva. Como se os investiments em publicidade não fossem, por si, suficientes para darem o quadro de eficácia do "visto na televisão".

Neste momento não consigo fazer link para o artigo.

quarta-feira, setembro 07, 2005

PONTO MEDIA

Vale a pena ir ao renovado Ponto Media, blogue do António Granado.

terça-feira, setembro 06, 2005

II ENCONTRO NACIONAL DE WEBLOGS

Programa
Sexta-feira – 14 de Outubro
14h00 – Recepção e Acreditação
15h00 – Início das actividades dos Grupos de trabalho
18h00 – Sessão de Abertura – Anfiteatro de Sessões Solenes ou Anfiteatro 1
- António Fidalgo - Presidente da Unidade de Artes e Letras –
- Paulo Serra - Presidente do Dep. de Comunicação e Artes –
- Ricardo Araújo Pereira (Gato Fedorento)

Sábado – 15 de Outubro
10h00 – Continuação das actividades dos Grupo de Trabalho
11h00 - Sessão 1 – De olho na blogosfera
Leonel Vicente (Memória Virtual)
Manuel Pinto (Jornalismo e comunicação)

12h30 – Intervalo para almoço
14h00 – Sessão 2 – A blogosfera vista pela blogosfera

1. Weblogs e Cultura …… Coordenação: Francisco José Viegas (Aviz)
2. Weblogs e Política ……Coordenação. Pedro Mexia (Fora do Mundo)
3. Weblogs no Ensino ……Coordenação: Rogério Santos (Indústrias Culturais)

15h45 – Intervalo para café
16h00 – Sessão 2 – A blogosfera vista pela blogosfera

4. Weblogs e Jornalismo …Coordenação: António Granado (Ponto Média)
5. Weblogs no Contexto Organizacional … Coordenação: Mónica André (B2OB)
6. Weblogs e Imagem ……Coordenação: José Carlos Abrantes (As imagens e Nós)

17h45 – Intervalo para café
18h00 – Sessão 3 – Horizontes da Blogosfera
Paulo Querido (Mas certamente que sim!)
José Luís Orihuela (E-cuaderno)

19h30 - Encerramento
21h00 – Jantar Hotel Meliá D. Maria
24h00 – Convívio Weblog

IMAGENS ENTRE A ARTE E O JORNALISMO

O estatuto das imagens jornalísticas tem fronteiras com o mundo da arte. Hoje, no Público, transcreve-se um texto assinado por Christine Pouget e que assinala essa tensão entre a informação e a arte. Trata-se de uma discussão que houve no Visa pour l’Image que está a decorrer em Perpignan (França). Um dos participantes, Raymond Dépardon, terá declarado que “as galerias e muitos museus deixam-nos mais livres que a imprensa”. E explica: “Eu não era completamente livre quando trabalhava para jornais porque a edição era feita inteiramente por mim, mas sempre sob o controlo de terceiros.“

Gostaria de ter o vosso comentário. A força dos blogues também deve vir de quem lê.

segunda-feira, setembro 05, 2005

JORNAIS EM PAPEL, JORNAIS ON LINE

Da crónica de ontem do provedor do Le Monde, Robert Solé, extraio o parágrafo final.

"La frontière entre le papier et l'écran est de plus en plus ténue. Les lecteurs-internautes ne font guère la distinction entre le journal imprimé et le journal en ligne. Je reçois d'ailleurs un nombre croissant de courriels à propos du Monde.fr. Le succès de ce site tient à son inventivité, mais aussi au titre sur lequel il s'appuie. A chaque moment, sur l'écran, c'est l'image du Monde qui est en jeu."

Tenho sublinhado, sempre que posso, esta ideia. Mas, em Portugal, estamos longe de esta ser bem aceite.

O fogo é a mensagem

No Público pode ler-se hoje um artigo de José Luís Garcia, O fogo é a mensagem: Notas para o debate sobre a mediatização dos incêndios, artigo que já tinha sido publicado no sábado.

A questão do "excesso" das imagens dos fogos tem sido algo discutida nas televisões e nos media em geral. Para as televisões foi lembrada a questão do tempo de duração dos telejornais como sendo um factor decisivo para se regressar a uma informação mais contida, mais construída em função de critérios jornalísticos de escolha e de selecção de informação. Aconteceu ter seguido o fogo de Coimbra em Espanha, num dia em que também na Galiza, houve um incêndio de alguma dimensão. Um e outro assunto foram objecto de notícia, mas talvez peças de 2/3 minutos, colocadas no interior de um conjunto mais vasto de informações. Isso mesmo disse Ramon Fon, jornalista espanhol, no recente debate, no Prós e Contras. Também se afirmou que a alternativa a dar imagens dos fogos é não dar imagens dos fogos, exclui-las. Sabemos que não: entre 8 e 80 há várias dezenas de opções. E voltando a João Lopes: aplicar o tempo televisivo nisto, é deixar de fora aquilo, outra coisa.

sexta-feira, setembro 02, 2005

LÁ FORA: COBERTURA DO FURACÃO KATRINA

Ver a página do Project for Excellence in Journalism onde estão textos sobre a cobertura do furacão Katrina.

The Committee of Concerned Journalists' sister organization, The Project for
Excellence in Journalism, has just launched a new section of its website
devoted to news coverage of Hurricane Katrina and its aftermath. "Reporting
Katrina" includes:

-- What's Getting Covered: A quantitative look at reporting on Hurricane
Katrina

--Reporting on Reporting: A compendium of press criticism

--Putting Technology to Work: Experimenting with the Web in times of crisis

--Sites Worth Seeing: Extraordinary reportage by news outlets under the worst
circumstances.

Once you've had the chance to look through the links the PEJ has gathered,
please e-mail us with any items you think should be included. A link for
sending mail is included in the main page of "Reporting Katrina."

"Reporting Katrina" can be found in the "In the Spotlight" section of the
Journalism.org homepage.

FALAR DE BLOGUES

Organização: José Carlos Abrantes e Livraria Almedina

13 de Outubro
Falar de Blogues no feminino
Sobre que assuntos falam as mulheres na blogosfera? Que motiva as autoras dos blogues? Que dados têm sobre quem as lê? Haverá especificidades da intervenção das mulheres na blogosfera?

Carla Quevedo, autora do blogue Bomba Inteligente.
Jornalista

Isabel Ventura, mestranda em Estudos sobre as Mulheres.

Rita Barata Silvério, autora do blogue Rititi.


10 de Novembro
Falar de Blogues: percursos e perspectivas
Quando e como nasceram os blogues em Portugal? Como evoluíram? Em que terrenos se se têm afirmado? Que evoluções são previsíveis?
António Granado, autor do blogue Ponto Media. Jornalista do Público.

Catarina Rodrigues, organização do 2º Encontro de Weblogs e mestrando em Ciências da Comunicação.

Joana Amaral Dias, co-autora do blogue Bicho Carpinteir.

Rogério Santos, autor do blogue Indústrias Culturais. Professor na Universidade Católica.

7 de Dezembro, 4a feira
Falar de Blogues com José Pacheco Pereira
Autor do blogue Abrupto. Ensaísta.
Um colunista e intelectual respeitado não prescindiu de usar a blogosfera para se exprimir. Que consegue José Pacheco Pereira com o blogue que não seja possível com os livros, a coluna na imprensa ou as intervenções na rádio e na televisão?

LIVRARIA ALMEDINA, SALDANHA
Sempre às 19h

EDUCAÇÃO PARA OS MEDIA

A Media XXI, no 81, de Maio/Junho inclui um Dossier sobre Educação para os Media. A entrevista é com Augusto Santos Silva, Ministro que tem a tutela da Comunicação Social.
A revista tem agora um director interino, Paulo Faustino, que sucede a Rogério Santos. Este deixou bom trabalho feito. A Paulo Faustino envio os meus votos de bom trabalho.

quinta-feira, setembro 01, 2005

LÁ FORA: Televisão

Vale a pena ler as dificuldades da televisão para cobrir o furacão Katrina. No NYT.