xml !

quarta-feira, julho 13, 2005

JORNALISMO E PODER ECONÓMICO

No Curso de Verão organizado por Mário Mesquita, em Cascais, no sábado, Mário Bettencourt Resendes acentuou a importância que actualmente tem a relação entre o jornalismo e os poderes económicos. Eis um episódio dessa relação: as relações entre a Impresa e o Bes, que serão objecto de análise na Alta Autoridade para a Comunicação Social, segundo o DN de hoje.

Ainda segundo o DN a diminuição de publicidade neste grupo, durantes este ano, decresceu substancialmente: “Isto depois de, em 2004, Exame, Expresso, Visão e SIC registarem um investimentos na ordem dos 4,141 milhões de euros (a preços de tabela sem descontos de negociação). Um valor muito distante do montante verificado entre Janeiro e Maio deste ano (147,8 mil euros). “ Ver aqui mais informações.

O Público, além de também noticiar este conflito, dá voz a um esclarecimento vindo do BES:

“Junto envio esclarecimento devido em função das afirmações do director do Expresso publicadas na edição de hoje [ontem] do PÚBLICO e em que são feitas acusações ao GES: - O BES e o GES têm absoluto respeito pela independência dos órgãos de comunicação social e claramente distinguem entre o que é a dimensão editorial e comercial das empresas de comunicação social; quem parece não separar as coisas é a Impresa: o que está em causa, e foi isso que denunciámos, é a pressão da Impresa - através de emissários - sobre o BES e não o contrário; - no caso do assunto noticiado pelo Expresso, tive oportunidade de enviar à jornalista que nos contactou uma notícia publicada no Brasil (no jornal Estado de São Paulo) em que o IRB (entidade com que supostamente o GES teria relações) desmentia oficialmente qualquer relação com o GES.”

Este excerto é parte de uma carta enviada por Paulo Padrão, director de comunicação do Grupo Espírito Santo ao Público. Numa outra notícia, este jornal refere que o Expresso cancelou a publicidade do Grupo no semanário e que enviou Nicolau Santos ao Brasil para innvestigar eventuais ligações ao mensalãodo Grupo Bes . Estas ligações foram desmentidas pelo Grupo.