xml !

sexta-feira, julho 29, 2005

LÁ FORA

Um jornalista do The Miami Herald foi despedido por ter gravado declarações sem consentimento.

quinta-feira, julho 28, 2005

LÁ FORA

Num artigo do The Christian Science Monitor, Maintaining the delicate trust between press and public pode ler-se:

“The abundantly clear lesson emerging from all this is the need for trust.
Trust between sources and reporters.
Trust between reporters and editors.
Trust between editors who package the product and the readers, listeners, and viewers who consume it.”

O artigo relaciona-se com antigos colaboradores da publicação que teriam tido ligações aos regimes comunistas do Vietnam e da União Soviética.

quarta-feira, julho 27, 2005

FONTES DE INFORMAÇÃO

A Reuters Foundation tem informação on line sobre emergências humanitárias.

terça-feira, julho 26, 2005

LÁ FORA

UMA SÉRIE DE FICÇÃO SOBRE A GUERRA NO IRAQUE começa a ser exibida na televisão americana, esta semana. Segundo este despacho da AFP é a primeira vez que uma série é retratada na televisão americana, enquanto o conflito decorre. É um despacho da AFP, citado no Le Monde.

Une série de fiction sur la guerre en Irak, une première à la TV américaine
AFP 25.07.05 | 22h09

Une chaîne câblée va diffuser à partir de cette semaine aux Etats-Unis une série de fiction consacrée à la guerre en Irak, une première dans l'histoire de la télévision américaine pour un conflit en cours.Précédé par une importante campagne de publicité, "Over There", dont le premier des 13 épisodes passera mercredi soir sur la chaîne FX, raconte la guerre du point de vue d'une équipe de huit jeunes soldats américains.Des extraits du premier épisode montrent les militaires, six hommes et deux femmes, en train de quitter leurs foyers pour rejoindre leur unité.Tous se sont engagés pour des motifs différents: l'un espère financer la suite de ses études, un autre a rejoint l'armée par dépit après avoir été refusé dans une chorale. Une des femmes laisse derrière elle son mari et son bébé.La série est produite par Steve Bochco, à qui l'on doit déjà les feuilletons policiers réalistes "Hill Street Blues" et "NYPD Blue".FX fait partie du groupe Fox, branche de News Corp, le groupe de presse du magnat australo-américain Rupert Murdoch, connu pour son soutien à la guerre en Irak, mais le président de la chaîne, John Landgraf, s'est défendu de vouloir faire passer un message politique, insistant sur le côté humain de l'histoire."Lorsque (les scénaristes) ont commencé à creuser les personnages des soldats, toutes les questions sur la nécessité d'être là-bas ou pas ont disparu", a-t-il affirmé, cité par le journal Entertainment Weekly.C'est la première fois que la télévision américaine diffuse une série de fiction prenant comme prétexte un conflit toujours en cours. M.A.S.H était arrivée sur le petit écran en 1972, avant la fin de la guerre du Vietnam, mais l'action de la série se déroulait pendant la guerre de Corée (1950-1953).Au total, 1.768 soldats américains sont morts en Irak depuis l'invasion du pays en mars 2003, selon un décompte de l'AFP à partir des chiffres du Pentagone.

segunda-feira, julho 25, 2005

ATIRAR A MATAR: uma polémica na imprensa inglesa

Londres : faut-il "tirer pour tuer" ?
"La politique de 'shoot to kill' de la police est-elle justifiée ?" Le Guardian de Londres pose la question à 6 "experts", dont un philosophe. La polémique est brûlante depuis qu'un "innocent" a été abattu par erreur dans le métro vendredi, dans le cadre des enquêtes sur les attentats. Le Daily Telegraph est plus virulent et cible Ian Blair, le directeur de Scotland Yard, pour ses déclarations à l'emporte-pièce : après la bavure, il soutient que le travail de la police n'est pas "la cause qui sous-tend" la mort du Brésilien et défend le "shoot to kill". Vendredi, il jurait que le jeune était lié aux attentats... Le Telegraph rêve d'une police soumise à un "contrôle démocratique direct". Le Times raconte le destin d'un émigré de Sao Paulo venu en Europe "vivre une vie meilleure". Et évoque un 5e poseur de bombes.

(da check-list do Le Monde)

IMPRENSA E DANOS MORAIS

Nem sempre se tem a dimensão do número de queixas que existem nos tribunais contra a comunicação social. Neste notícia fala-se de quatro mil queixas por danos morais, no Brasil .

sexta-feira, julho 22, 2005

AGENDA: JORNALISMO EM DISCUSSÃO NO BRASIL

O III Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo vai realizar-se em Florianópolis, no Brasil, entre 24 e 26 de Novembro deste ano.

O "PREÇO CERTO"

Se acertar no Euromilhões e quiser comprar um iate do tipo Pelorus poderá poupar 25 milhões de euros se a notícia certa fôr a do DN. Se quiser escolher o Hotel mais caro do mundo também terá problemas pois o DN situa-o nas Bahamas e o Público em Las Vegas. Aí já poupa “pouco” pois a diferença na diária é só (!) cerca de 12 mil euros. Não é uma boa coisa para a credibilidade da informação este cotejar de dois diários de referência.

UMA BOA NOTÍCIA

A Autoridade da Concorrência aprovou a venda da Lusomundo à Controlinveste. Ainda bem que não foi preciso esgotar o tempo todo que esta entidade tinha disponível.

quinta-feira, julho 21, 2005

LÁ FORA

JOGOS VIDEO

Um jogo "Grand Theft Auto: San Andreas" foi reclassificado de modo a que agora só pode ser vendido para maiores de 17 anos. O The New York Times mostra o que está em causa nesta decisão.
“The board's president, Patricia Vance, said yesterday that the move was the first time in years that the group, the Entertainment Software Rating Board, had changed the rating for a game that had already been released. The rating was changed to "Adults Only" from "Mature," which is meant to signal appropriateness for players 17 and older. “

quarta-feira, julho 20, 2005

LÁ FORA

IMPRENSA para jovens cresce

Segundo o Le Monde a imprensa “people” para os jovens tem crescido em França: “Les magazines people attirent 5,6 millions de lectrices, soit un gain de 13 % depuis 1999, selon Carat Expert Presse. Voici (Prisma Presse) est celui que les femmes lisent le plus (2,6 millions de lectrices), même si ses ventes ont fléchi de 7,1 % en 2004 (498 859 exemplaires en moyenne). L'arrivée, il y a deux ans, de Public (Hachette Filipacchi Médias, HFM) y est pour quelque chose. L'hebdomadaire s'est vendu à 263 381 exemplaires en 2004, et HFM annonce des ventes de 314 000 exemplaires pour le premier semestre (près de 50 % de hausse par rapport à juillet 2004). Son lectorat (1,15 million de lecteurs) est, à plus de 40 %, âgé de 15 à 24 ans ; 29,7 % ont entre 25 et 34 ans. Lancé il y a un an, Choc , classé dans la catégorie "actualité générale" de l'OJD, est à la frontière du people : la moyenne d'âge de son lectorat, à 55 % masculin, est de 25 ans. HFM assure vendre 400 000 exemplaires de Choc , tous les quinze jours. Favorisé par l'arrêt d'Oh la ! , Gala (Prisma) estime avoir franchi le cap des 300 000 exemplaires en diffusion France payée à mi-année.”

Varios especialistas explicam o crescimento desta imprensa por diferentes razões. Eis algumas:

"Face à une presse un peu institutionnelle et révérencieuse à l'égard des élites, cette presse people plaît aux jeunes ; elle se situe dans un registre insolent, humoristique et grinçant , analyse Jean-Marie Charon, sociologue au CNRS. Ce mouvement est lié à la quasi-absence de presse populaire quotidienne en France, qui cultiverait notamment la mise à distance des élites."

"Cette presse désacralise tout, y compris les puissants, confirme Monique Dagnaud, directrice de recherche au CNRS et ancien membre du Conseil supérieur de l'audiovisuel (CSA). Comme dans les émissions de télé-réalit é, les frontières entre le réel et la fiction s'estompent. L'édition suit ce mouvement en mélangeant le sérieux, le peu sérieux, le vraisemblable, l'invraisemblable, l'authentique et sa parodie. C'est la culture de la dérision, transgressive, du "tout est possible", où on se moque les uns des autres" . Le succès du film Brice de Nice fournit une preuve de cet engouement. "On préfère la copie à l'original, la représentation à la réalité, l'apparence à l'être. Guy Debord l'avait annoncé" , renchérit M. Egby.

"Les people représentent pour les jeunes à la fois des symboles de réussite et des exutoires", explique Laurence Bernheim, directrice des études du pôle féminin chez Interdéco Expert. "Les jeunes, en phase d'apprentissage de leur identité, ont moins de cadres qu'avant et trouvent dans les people des référents, qui fascinent et qui sont jalousés. Les stars sont plus humaines si elles ont des boutons !", s'amuse Annie-Paule Quéré, directrice chez Interdéco Expert.

terça-feira, julho 19, 2005

JORNALISMO NARRATIVO

O DN escreve hoje sobre jornalismo narrativo a propósito da passagem de Mark Kramer em Lisboa na Escola Superior de Comunicação Social. O DN ouve também Jacinto Godinho sobre este assunto.

segunda-feira, julho 18, 2005

TELEVISÃO

Ver aqui , dia 18 de Julho.

LA FORA

Para compreender o modo digno como a BBC tratou os atentados bombistas vale a pena dar uma olhada ao seu editorial guidelines.

Nos EUA, o jornal The Los Angeles Times deu também a conhecer o seu código ético.

AGENDA: NA TELEVISÃO HOJE

O Clube dos jornalistas de hoje é dedicado ao tema

“Quem marca a agenda dos jornais, rádios e televisões?

Por que é que as notícias são tão semelhantes em todos os media?
E o que explica que as mesmas notícias sejam tantas vezes repetidas
em diversos espaços informativos, nos mesmos canais de televisão?
Por que é que o jornalismo de investigação quase desapareceu das redacções?

Este é o tema central do próximo CJ na TV, a transmitir 2.ª feira, dia 18, às 23 e 30,com repetição na 5.ª feira, dia 21, às 15 horas.

O debate, moderado por Estrela Serrano, conta com a presença do jornalista e
investigador Dinis Alves, do editor da RTP Fernando Barata e do
editor do "Jornal de Notícias" Paulo Martins.

Em depoimentos gravados juntam-se ao debate, Ricardo Costa,
director de Informação da SIC Notícias, e António Pratas, chefe de Redacção da TVI.”

sexta-feira, julho 15, 2005

AGENDA, Lá Fora

Até dia 18 ainda se pode tentar inscrever no seminário Writing about race organizado pelo Poynter em St Petersbourgh (USA).

“Writing About Race (W422)
Date Starts: 9/18/2005
Date Ends: 9/23/2005
Deadline: 7/18/2005
Tuition (includes hotel): $675.00
Who will benefit: Reporters, editors, anchors, producers, copy editors, and photojournalists in all media.
Seminar Description: In schools, courts, police districts, sporting events, and immigration offices, in office cubicles and across the back fence, issues of race are undermining, redefining, and enriching the lives of the people journalists cover. This seminar teaches you how to report and write stories about race relations that are vibrant, precise, and relevant to readers and viewers. You’ll learn how to look beyond the typical story frames that cast race relations in polarized, black-and-white terms. You’ll learn how to report on the complexities of race in a way that advances the understanding of your audience with reporting and writing that honors journalism’s ethical principles. And you’ll learn to find the stories that are deep, honest, and authentic enough to touch people.”

Outro seminário sobre Visual reporting tem o deadline a 29 de Julho.

Visual Edge: Visual Reporting (GVEA)
Date Starts: 9/10/2005
Date Ends: 9/16/2005
Deadline: 7/29/2005
Tuition (includes hotel): $875.00
Who will benefit: Still and broadcast photojournalists, picture editors, and writers who are involved with photographic reporting.
Seminar Description: This is a premier convergence forum for print and broadcast photojournalists. Participants will learn how convergence is affecting print, electronic media, and video storytelling. You’ll explore the latest improvements in multimedia photographic reporting and technology and grapple with issues related to ethical decision-making, leadership, and quality control in news coverage. All workshop participants will report a story in the Tampa Bay area using the latest equipment and software. The focus will be on reporting using still photography and audio and video tools. Work will be posted at VisualEdge.org.

Pode consultar aqui a lista completa dos seminários em 2005.

LÁ FORA

Um relatório sobre as atitudes face ao terrorismo em diferentes países foi hoje dado a conhecer pelo Pew Research Center for the People and the Press. O estudo foi feito antes dos ataques bombistas de Londres e mostra, entre outras coisas, que a ansiedade face ao terrorismo existe também em países muçulmanos como o Marrocos, Paquistão, Turquia e Indonésia. “Most Muslim publics are also expressing less support for acts of terrorism in defense of Islam and less confidence in Osama bin Laden.”

"The Pew Global Attitudes Project is co-chaired by former U.S. Secretary of State Madeleine K. Albright and by former Senator John C. Danforth. In addition to their guidance in shaping and interpreting the survey, the project team consulted with survey and policy experts, academic regional and economic experts, activists and policymakers."

quinta-feira, julho 14, 2005

E LÁ FORA.....

O editor de questões de segurança do The Guardian estará hoje on line com os leitores, às 13h.

“Live online: Post your questions and comments now for the Guardian's security editor, Richard Norton-Taylor, who will be here at 1pm on Thursday.

E LÁ FORA.....

Há blogues que falam das bombas de Londres. Segundo o site do The Times on LIne “there are about a hundred hardline jihadi websites that are used as forums for Islamists to discuss events and which, some analysts believe, have been used to pass messages. On most, the discussions are conducted in classical Arabic but a number also appear in English and in French.

For the past week the London bombs have been the main topic of discussion. The following extracts are from al-Hisbah, one of the websites concerned:


* “London put an end to the Khilafah. It is London that gave the Balfour Declaration to the Jews. It is London that has divided Palestine and occupied Iraq. Oh London, you have paid a small part of that big bill of yours for the war against Islam and the Muslims. It was God’s will to give you a taste of the pain.”


* “Yesterday Britain jumped in the air celebrating the announcement of the Olympics. Now they are flying through the air as corpses and parts of corpses. In the name of God that has raised the sky without pillars, let America and those who live with America know that they will never know security before we live that security in Palestine and before all the infidel armies leave the land of Mohammed.”

* “After the long wait and after the end of the truce offered by Osama bin Laden (God save him) and the participation of Britain in the war against Muslims and the crimes of their Army raping our women in Iraq, God has blessed us with hitting the second capital of the infidels. It is a moment to put the sorrow and sadness into the heart of the invaders and all those who ally themselves with them. We pray to God the next hit will be soon and bigger than this one. The invasion of London makes you stand in respect for the people who have done this operation. Despite the security, they succeeded in this precise operation that has uncovered a weakness in the security wall surrounding those capitals.”

quarta-feira, julho 13, 2005

JORNALISMO E PODER ECONÓMICO

No Curso de Verão organizado por Mário Mesquita, em Cascais, no sábado, Mário Bettencourt Resendes acentuou a importância que actualmente tem a relação entre o jornalismo e os poderes económicos. Eis um episódio dessa relação: as relações entre a Impresa e o Bes, que serão objecto de análise na Alta Autoridade para a Comunicação Social, segundo o DN de hoje.

Ainda segundo o DN a diminuição de publicidade neste grupo, durantes este ano, decresceu substancialmente: “Isto depois de, em 2004, Exame, Expresso, Visão e SIC registarem um investimentos na ordem dos 4,141 milhões de euros (a preços de tabela sem descontos de negociação). Um valor muito distante do montante verificado entre Janeiro e Maio deste ano (147,8 mil euros). “ Ver aqui mais informações.

O Público, além de também noticiar este conflito, dá voz a um esclarecimento vindo do BES:

“Junto envio esclarecimento devido em função das afirmações do director do Expresso publicadas na edição de hoje [ontem] do PÚBLICO e em que são feitas acusações ao GES: - O BES e o GES têm absoluto respeito pela independência dos órgãos de comunicação social e claramente distinguem entre o que é a dimensão editorial e comercial das empresas de comunicação social; quem parece não separar as coisas é a Impresa: o que está em causa, e foi isso que denunciámos, é a pressão da Impresa - através de emissários - sobre o BES e não o contrário; - no caso do assunto noticiado pelo Expresso, tive oportunidade de enviar à jornalista que nos contactou uma notícia publicada no Brasil (no jornal Estado de São Paulo) em que o IRB (entidade com que supostamente o GES teria relações) desmentia oficialmente qualquer relação com o GES.”

Este excerto é parte de uma carta enviada por Paulo Padrão, director de comunicação do Grupo Espírito Santo ao Público. Numa outra notícia, este jornal refere que o Expresso cancelou a publicidade do Grupo no semanário e que enviou Nicolau Santos ao Brasil para innvestigar eventuais ligações ao mensalãodo Grupo Bes . Estas ligações foram desmentidas pelo Grupo.

terça-feira, julho 12, 2005

O ARRASTÃO II

Depois de ler o jornal em papel vi que afinal o DN tinha mais duas peças sobre o arrastão:

Uma entrevista com Diana Andringa

e a crítica de televisão de Miguel Gaspar .

Também teria sido possível ver tudo a partir da versão on line. Mas no papel dá-se logo conta...

E LÁ FORA?

Byron Calame, provedor do New York Times tem um webjournal. No texto mais recente Byron Calame afirma-se pela necessidade de transparência quando existem ligações entre a empresa que detém o jornal e outra empresa. Havendo actividades daí resultantes objecto de notícia há obrigação de alertar o leitor. Parece razoável.

O ARRASTÃO

A secção dos media do DN refere-se hoje ao caso do arrastão com duas peças:

uma intitulada
O documentário e a entrevista polémica

e outra
O estranho caso do arrastão que morreu na praia.. .


Ontem o Clube dos Jornalistas havia sido dedicado ao mesmo assunto.

segunda-feira, julho 11, 2005

AGENDA, Jornalismo Literário

Hoje, pelas 15:30, o Professor Mark Kramer, da Universidade de Harvard, dará uma conferência sobre Jornalismo Literário, no auditório da Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa.

Ver o texto What is narrative?

e The Nieman Foundation for Journalism at Harvard University

AGENDA, Clube dos Jornalistas

Os media e o “arrastão” de Carcavelos, é o tema do próximo Clube de Jornalistas, transmitido, 2ª. Feira, dia 11 de Julho, às 23h30, na RTP Dois, com repetição na 5ª. Feira, dia 14, às 15h00.

Luís Osório, até há pouco director d’A Capital, Eduardo Dâmaso, sub-director do Público e José Barreiros sociólogo da comunicação, dispuseram-se a discutir um tema reconhecidamente difícil e sensível, sobre o qual, passado cerca de um mês, poucas certezas existem. A moderação do debate é de Estrela Serrano

As posições contraditórias manifestadas por ambos os jornalistas em editoriais publicados nos respectivos jornais, pouco depois dos acontecimentos, foram objecto de confronto e análise, enquadradas por José Barreiros em problemáticas mais vastas que se relacionam com a cidadania, a cultura e a crise das instituições.

O programa passa em revista as notícias publicadas na imprensa e na televisão, tentando perceber como surgiu e de quem partiu a ideia de chamar aos acontecimentos um “arrastão”, procurando nas fontes oficiais da polícia e na vox-populi, representada por proprietários de bares na praia de Carcavelos e por banhistas anónimos, a origem dessa “classificação”.

O papel das fontes oficiais, nomeadamente os dois comunicados da PSP e, por outro lado, a dependência dos jornalistas face às informações oriundas das instituições policiais, sobretudo a falta de distanciamento e de capacidade crítica são, nesse contexto, objecto de análise.

O papel e a responsabilidade das televisões no empolamento dos acontecimentos, as circunstâncias em que se trabalha hoje nas redacções, nomeadamente, a pressão da concorrência e a necessidade de tudo mostrar instantaneamente, não obstante a incerteza de que o caso se revestia e ainda reveste, são objecto de reflexão.

A propósito das fotografias tiradas na praia durante os acontecimentos, publicadas pelos jornais e televisões e interpretadas em sentidos contraditórios pela própria PSP – ora como representando assaltantes que fugiam com o produto dos roubos, ora como jovens que fugiam da confusão com os seus próprios haveres - é levantada a questão de saber até que ponto a ideia de que “as imagens falam por si” deve ser considerada ou se, pelo contrário, pode ser enganadora.

Qual é a “verdade” sobre o “arrastão” de Carcavelos?
Que problemas o acontecimento traduz?
Qual a atitude que se espera dos media em acontecimentos deste tipo?
Há ou não um problema de segurança no País, nomeadamente nas zonas suburbanas de Lisboa?
O que se espera das forças de segurança em contextos desta natureza?

O debate realizado pelo CJ, sobre Os media e o “arrastão” de Carcavelos proporcionou uma discussão de grande vivacidade, em que raramente os dois jornalistas presentes estiveram de acordo, e para cuja leitura o olhar do sociólogo forneceu importantes pistas.

Depoimentos de Adelino Gomes, do Público, Nuno Guedes de A Capital e Pena Pires do ISCTE, a propósito do debate sobre o tema realizado na Videoteca Municipal, completam a discussão.

(informação disponibilizada no site do Clube dos Jornalistas).

sexta-feira, julho 08, 2005

IMAGENS DOS ATENTADOS

Ver As Imagens e Nós de hoje, 8 de Julho.

TELEVISÃO na ALTA AUTORIDADE PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL

"A AACS , tendo apreciado nos termos da alínea n) do art.º 4º da Lei nº 43/98, de 6 de Agosto, uma queixa do PSD contra a RTP por alegada violação dos deveres de isenção, imparcialidade e pluralismo na contratação do Dr. António Vitorino como comentador político do serviço público de televisão, delibera:

1. Sublinhar, perante a RTP, a necessidade do cumprimento dos preceitos constitucionais e legais que regulam a prestação do serviço público de televisão, quer em matéria de independência perante o Governo, a Administração e os demais poderes públicos, quer no tocante à expressão e confronto das diversas correntes de opinião;
2. Reiterar ao Director de Informação da RTP a necessidade do cumprimento em tempo útil, de acordo com critérios por si definidos, do seu repetido propósito de utilizar ao longo da semana sucessivos comentadores políticos, em conformidade com o sentido das exigências de pluralismo que decorrem, nomeadamente, do artº 47º da Lei da Televisão.

Foi analisada outra queixa contra a SIC por linguagem obscena: “Apreciada uma queixa de Hélio Meca contra a SIC, por alegada violação do Art.º 24º da Lei da Televisão quando da emissão do filme “À prova de bala”, na tarde de 1.05.05, por utilização de “linguagem obscena”, queixa entrada neste órgão em 2.05.05, a Alta Autoridade para a Comunicação,
- confirmando-se a utilização, frequente, de linguagem de grande violência,
- e atendendo ao horário da emissão, durante o período da tarde, alcançando, assim, largas camadas de público nomeadamente nfantil, especialmente vulnerável,
- e apesar de o filme ter sido classificado pelo IGAC como “para maiores de 12 anos”,

delibera:
a) chamar a atenção da SIC para a necessidade do respeito escrupuloso pelo legalmente estabelecido no referido nº 2 do Art.º 24º, quanto aos cuidados a ter em termos de “programas susceptíveis de influírem de modo negativo na formação da personalidade das crianças ou de adolescentes ou de afectarem outros públicos vulneráveis…”
b) instaurar o devido processo contra-ordenacional.”

TELEVISÃO na ALTA AUTORIDADE PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL

"A AACS , tendo apreciado nos termos da alínea n) do art.º 4º da Lei nº 43/98, de 6 de Agosto, uma queixa do PSD contra a RTP por alegada violação dos deveres de isenção, imparcialidade e pluralismo na contratação do Dr. António Vitorino como comentador político do serviço público de televisão, delibera:

1. Sublinhar, perante a RTP, a necessidade do cumprimento dos preceitos constitucionais e legais que regulam a prestação do serviço público de televisão, quer em matéria de independência perante o Governo, a Administração e os demais poderes públicos, quer no tocante à expressão e confronto das diversas correntes de opinião;
2. Reiterar ao Director de Informação da RTP a necessidade do cumprimento em tempo útil, de acordo com critérios por si definidos, do seu repetido propósito de utilizar ao longo da semana sucessivos comentadores políticos, em conformidade com o sentido das exigências de pluralismo que decorrem, nomeadamente, do artº 47º da Lei da Televisão.

Foi analisada outra queixa contra a SIC por linguagem obscena: “Apreciada uma queixa de Hélio Meca contra a SIC, por alegada violação do Art.º 24º da Lei da Televisão quando da emissão do filme “À prova de bala”, na tarde de 1.05.05, por utilização de “linguagem obscena”, queixa entrada neste órgão em 2.05.05, a Alta Autoridade para a Comunicação,
- confirmando-se a utilização, frequente, de linguagem de grande violência,
- e atendendo ao horário da emissão, durante o período da tarde, alcançando, assim, largas camadas de público nomeadamente nfantil, especialmente vulnerável,
- e apesar de o filme ter sido classificado pelo IGAC como “para maiores de 12 anos”,

delibera:
a) chamar a atenção da SIC para a necessidade do respeito escrupuloso pelo legalmente estabelecido no referido nº 2 do Art.º 24º, quanto aos cuidados a ter em termos de “programas susceptíveis de influírem de modo negativo na formação da personalidade das crianças ou de adolescentes ou de afectarem outros públicos vulneráveis…”
b) instaurar o devido processo contra-ordenacional.”

quinta-feira, julho 07, 2005

APLAUSOS

ao artigo de hoje de José Pacheco Pereira, no Público, sobre "Autoridade do Estado? Leis? Legalidade? Vão explicar isso à população de Milagres."

"É preciso envergonhar publicamente as autoridades que não actuam."

Para isso servem, entre outras coisas, os orgãos de comunicação social onde José Pacheco Pereira exprime a sua opinião. Pena que este seja um exemplo raro de denúncia de situações concretas inadmissíveis. É que não faltam em Portugal exemplos semelhantes de inacção gritantes.* Quando pensamos nesse "silêncio" habitual não podemos deixar de nos interrogar se a agenda dos media não anda distraída. Embora neste caso denunciado por Pacheco Pereira isso não tenha acontecido pois "há questões onde nem armas navais, nem as de maior calibre, como é a televisão, servem para alguma coisa." No caso dos porcos parece que até agora não serviu.

Será possível? "Sítios onde quem manda são 400.000 porcos." Será isto Portugal. 2005?
Pessoas que não conseguem fazer valer os seus mais elementares direitos como podem acreditar e viver a democracia?

* Ainda há dias, Helena Matos, na rádio dizia que a situação dos deficientes em Portugal é escandalosa pelo não cumprimento, a cada momento, de normas de acesso que não são cumpridas nos edifícios o que é atentório da dignidade das pessoas.

FONTES

O editorial do New York Times refere-se hoje à decisão de Judith Mailer ter decidido ir para a cadeia em vez de revelar uma fonte:

“This is a proud but awful moment for The New York Times and its employees. One of our reporters, Judith Miller, has decided to accept a jail sentence rather than testify before a grand jury about one of her confidential sources. Ms. Miller has taken a path that will be lonely and painful for her and her family and friends. We wish she did not have to choose it, but we are certain she did the right thing.”

Quem me informou foi o Bicho Carpinteiro, presente nos links, aqui ao lado.

quarta-feira, julho 06, 2005

CONCENTRAÇÃO NOS MEDIA, em Cascais

Em Cascais está a decorrer uma reflexão sobre este tema. Fui na segunda, voltarei a ir hoje. O DN noticiou assim o primeiro dia.

FRANCE TÉLÉVISIONS

O novo presidente da France Télévisions é o jornalista Patrick de Carolis, animador do programa "Des racines et des ailes" sur France 3. O Le Monde diz que a eleição foi feita na primeira volta da votação tendo P.C. obtido 5 dos 9 votos dos membros do Conseil Supérieur de l’audiovisuel.

Quando teremos à frente da Rádio e Televisão de Portugal (RTP) um concurso para designar o Presidente? No ano 2050?

A designação de Patrick de Carolis parece um bom sinal para o serviço público que o candidato parece querer revigorar.

“De son côté, M. de Carolis est resté très discret pendant la campagne. L'animateur-producteur du magazine "Des racines et des ailes" sur France 3 (qui, avant sa déclaration de candidature, a resigné pour deux ans avec France 3) a délaissé les locaux de sa maison de production pour s'installer dans un bureau loué pour l'occasion. Il y a travaillé sur son projet, qui s'articule autour d'un plan global de "relance du service public". "Je suis candidat à la présidence de France Télévisions pour proposer un projet ambitieux, marqué par un virage éditorial et stratégique du groupe", avait-il déclaré à l'AFP début juin. Selon M. de Carolis, ce projet impose "un nouvel effort nécessaire et considérable de cohérence et d'harmonisation entre les chaînes. La situation actuelle de France Télévisions exige des décisions profondes, rapides et volontaristes".

M. de Carolis, qui sera auditionné le 5 juillet à 11 heures, dévoilera devant le CSA avec quelle équipe il compte mener à bien son projet. En première place devrait figurer le journaliste Patrice Duhamel, qui, en trente ans de carrière dans l'audiovisuel, a déjà fait ses preuves sur les chaînes du service public et privées. En cas de nomination de M. de Carolis, M. Duhamel devrait se voir confier la direction générale de la holding publique, un nouveau poste qui permettrait de superviser et d'harmoniser l'ensemble des chaînes. “

AS IMAGENS COMO MEMÓRIA

Recebi de Dominique Chastres, conselheiro audiovisual da Embaixada Francesa, um DVD feito pelo INA (Institut National de l’Audiovisuel). O video intitula-se “Une visite dans les archives de la télé” e foi feito a propósito das Jornadas Europeias do Património. “Construimos o futuro da nossa memória” é um slogan que identifica o INA.

Estou a ver com deleite. Para já não é todos os dias que se vêem imagens reconhecidas como património. Depois pelo reconhecimento também deste papel que as imagens do passado têm na construção do nosso futuro.

As primeiras imagens datam de 1949 de um telejornal em que se mostram as comemorações do 14 Juillet. Em 1950 vemos Picasso no seu atelier. Bardot na Ópera, Callas a cantar, uma operação sem anestesia em directo (que violência!), Kenedy entrevistado na campanha eleitoral, uma deliciosa reportagem de rua sobre os OVNIS, Claude Nogaro, etc, etc. Cheguei a Maio de 68 onde só se vêm imagens do pós conflito com a Polícia.

terça-feira, julho 05, 2005

COMO CONFIAR NA IMAGENS PUBLICADAS NA IMPRENSA?

A coluna de 3 de Julho de Byron Calamen, novo provedor do New York Yimes, é intitulada Pictures, Labels, Perception and Reality.

"The Times's "Guidelines on Our Integrity," which apply to all parts of the paper, emphasize the question of whether an image is intended to portray reality. "Images in our pages that purport to depict reality must be genuine in every way," the section on photography and images begins. Basically, the guidelines say any image that doesn't depict reality should be explained, "if the slightest doubt is possible."

segunda-feira, julho 04, 2005

IMAGENS DE CRIANÇAS NA IMPRENSA

A publicação de uma fotografia de uma criança na primeira página do El País deu origem a uma carta de um leitor. A criança estava ao lado do arcebispo de Madrid e o jornal tapou com técnicas digitais a cara da criança. Um leitor protestou para o “defensor del lector” por este “excesso” de zelo pois outros media, nomeadamente o Le Monde, publicaram a fotografia sem essa ocultação. Sebastian Serrano, o provedor de leitores de El País, mostra como essa ocultação deriva do cumprimento da lei espanhola, aplicada mesmo em casos longínquos: “En aplicación estricta de la ley de 1996, este diario difuminó hace dos semanas rostros de niños de la manifestación, igual que hizo hace 10 meses con los de menores de la matanza que hubo en la escuela Número Uno de Beslán, en la lejana Osetia del Norte. Ni la distancia ni la política han modificado el criterio.”

E interroga-se sobre em que condiçoes pode mostrar-se um rosto de criança sem perigo de denúncia: “El asesor jurídico del diario considera que no hay inconveniente en que se publiquen fotografías de menores que han desarrollado una actividad positiva si tanto ellos como sus padres están deacuerdo. Pero los periodistas gráficos quieren algo más. Los editores de fotografía de varios diarios de Madrid y Barcelona y de la agencia Efe han acordado pedir que la fiscalía se abstenga de actuar de oficio o apoyar demandas de los tutores sobre fotos tomadas en actos como la inauguración del curso escolar, desfiles de moda infantil, estrenos de
películas para niños, competiciones deportivas, cabalgatas de Reyes o simplemente cuando los pequeños juegan en un parque o participan en una manifestación legal.” Os condicionamentos actuais em Espanha parecem fortes, mas nem mesmo assim retiram aos pais o direito de autorizar a difusão de imagens de filhos menores.

Uma questão interessante levantada por Serrano relaciona-se com uma fotografia mundialmente conhecida ligada ao Vietnam: “En la situación actual plantearía
dudas la publicación de fotografías como la de la niña huyendo del napalm en
la guerra de Vietnam", una imagen que mereció el Premio Pulitzer en 1975.”

sexta-feira, julho 01, 2005

UM JORNALISTA, UM FILME

Recebi da Amnistia Internacional a indicação de estreia de um filme sobre a África do Sul. Um dos personagens principais é um jornalista.

"Um amor em África" de John Boorman
Estreia dia 30 de Junho


A Amnistia Internacional associa-se à LNK Audiovisuais no lançamento em
cinema do filme "Um amor em África" (In my country) de John Boorman.

O fala-nos do pós-Apartheid e da Comissão de Verdade e Reconciliação que
foi criada em 1995 para averiguar os acontecimentos de 34 anos de política
de Apartheid, que vigorou na África do Sul e que foi responsável pela
segregação dos negros e levou a inúmeras violações de direitos humanos.

"Um amor em África" tem estreia marcada para o público em geral no dia 30
de Junho e estará em cartaz nos cinemas AMC (Gaia), El Corte Inglés
(Lisboa), Alvaláxia (Lisboa), Dolce Vita (Porto) e Almada Fórum.


UM AMOR EM ÁFRICA
(IN MY COUNTRY)
Reino Unido, 2004, 104'
De: John Boorman
Com: Samuel L. Jackson, Juliette Binoche, Brendan Gleeson, Menzi Ngubane

África do Sul, 1995. Vivem-se momentos conturbados. O governo sul-africano
cria a Comissão para a Verdade e Reconciliação (CVR) – presidida pelo
Arcebispo Desmond Tutu – com o propósito de desvendar a verdade acerca das
graves violações dos direitos humanos ocorridas entre 1 de Março de 1960 e
19 de Maio de 1994.

Langston Whitfield é um jornalista norte-americano enviado a África do Sul
para cobrir as audiências sobre a CVR. Céptico, Whitfield acredita
tratar-se apenas de um subterfúgio para os culpados escaparem sem punição.

Anna Malan é uma poetisa e locutora de rádio sul-africana que está também a
seguir as audiências. Para Anna, trata-se de um momento crucial que
permitirá exorcizar os fantasmas do Apartheid.

Com perspectivas e sentimentos divergentes acerca do processo de
reconciliação, Langston e Anna acabam por se conhecer melhor e juntos irão
partilhar emoções intensas à medida que os terríveis e dolorosos
testemunhos vão sendo revelados. Será possível do ódio nascer o amor?


Irene Rodrigues
Coordenadora de Comunicação e Imagem
Amnistia Internacional - Secção Portuguesa
Telf: 21 386 16 52
Fax: 21 386 17 82
e-mail: i.rodrigues@amnistia-internacional.pt
www.amnistia-internacional.pt